Na última sexta-feira (17/04), alunos do 1°04 da EMEB José Theobaldo Utzig acompanhados da Professora/bióloga Denise Coldebella que ministra a disciplina curricular Trilha do Saber, estiveram em uma oportunidade ímpar para o desenvolvimento do conhecimento cientí­fico e sensibilidade ambiental.

Na ocasião surgiu subitamente no interior da Trilha Interpretativa de Educação Ambiental um exemplar de Bothrops Neuwiedi (jararaca-pintada). Segundo a professora Denise, esse foi um momento muito importante, principalmente por dois motivos: primeiro, porque proporcionou aos estudantes a oportunidade de acompanhar na prática um pouco do comportamento desse réptil em seu ambiente natural. Segundo, porque foi possí­vel perceber o comportamento e a postura dos alunos diante da presença de um animal silvestre tão importante para o equilí­brio ambiental, “Os alunos permaneceram praticamente imóveis tentando fazer o mínimo possí­vel de barulho, não houve medo nem pavor eles agiram como verdadeiros pesquisadores” complementa a professora.

Cabe salientar, que a exemplo de qualquer serpente, a jararaca pintada é surda (ela só sabe que alguém esta se aproximando pela vibração do solo) e enxerga muito mal (porém, o olfato é bem desenvolvido, e é a principal ferramenta de orientação). Portanto, ela atacará um ser humano apenas ao sentirem-se ameaçada. Para evitar acidentes nessas situações é importante: não andar descalço e de preferência usar botas de borracha; verificar bem o ambiente onde você estiver caminhando; ter cuidado com montes de folhas, capim seco, e com mato; lugares onde aparecem roedores são os melhores para as cobras se alimentarem. Na Trilha Interpretativa de Educação Ambiental os percursos são delimitados, portanto se o visitante seguir as orientações de andar somente dentro dos delimitadores os acidentes com animais peçonhentos serão pouco prováveis.

Mas apesar de tanto medo devido à periculosidade de algumas espécies peçonhentas, pode-se dizer que as cobras contribuem mais para salvar vidas no Brasil do que matam. Principalmente devido as propriedades farmacológicas descobertas com o veneno das mesmas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *